Pesquisar

domingo, 18 de agosto de 2013

PORNOGRAFIA – INTEGRIDADE E SANTIDADE EM PERIGO. FAMÍLIAS POR UM FIO...

Definições:

1. Violação ao pudor, ao recato, à reserva, socialmente exigidos em matéria sexual; indecência, libertinagem, imoralidade.  
2. Qualquer coisa feita com o intuito de ser pornográfico, de explorar o sexo tratado de maneira chula, como atrativo (p.ex., revistas, fotografias, filmes, etc.) 
                                                        (Dicionário Houaiss)




Em 2010 uma pessoa passou em média 18hs On line.

Diariamente 2.5 bi e e-mail pornográficos circulam na NET.

O Primeiro contato com a pornografia é com 9 anos.

90% das crianças de 8 a 16 anos já viram alguma forma de pornografia.

77% dos adolescentes afirmam ter tido contato  com pornografia antes dos 18 anos pela INTERNET.

80% dos jovens de 15 a 17 anos foram expostos à pornografia EXTREMA.

O vício da pornografia aumenta em 300% a infidelidade.

De acordo com academia americana de advogados 68% de todos os divórcios envolveu um amante na INTERNET.

Pesquisas de 2002 afirmam que 30% dos pastores viram pornografia nos últimos 30 anos.

20% das mulheres sofrem com o vício da pornografia.

O termo mais procurado nos sites é “sexo”.


Fonte: Pr. Josué Gonçalves


terça-feira, 13 de agosto de 2013

O Pai Desconhecido


É verdade que Deus é Rei dos reis, Senhor dos senhores, Todo-poderoso, Altíssimo, três vezes Santo, sobremodo tremendo (Sl 111.9) e Deus zeloso que visita a iniquidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração daqueles que o aborrecem (Êx 20.5).

Mas Ele é Pai também e deve ser tratado como tal.
Por que não consideramos Deus Pai? Por que não nos relacionamos com Ele como filhos? Por que não o buscamos como nosso Pai?

Talvez seja por falta de informação ou por informação equivocada – talvez nos tenham comunicado apenas a santidade de Deus, e não a sua misericórdia; talvez só a sua severidade, e não a sua bondade; talvez só o seu castigo, e não o seu perdão. Nesse caso, é necessário romper com a informação incompleta e abraçar novos conceitos, embora tão antigos quanto os primeiros conceitos. A reviravolta pode ser difícil, mas é a única saída.

Jesus fez um esforço constante para nos passar a ideia da paternidade de Deus. Muitas vezes, Ele se dirigia aos discípulos referindo-se sempre a Deus como “o vosso Pai” ou “o teu Pai”. Só no Sermão da Montanha, essa curta expressão aparece quinze vezes, especialmente no capítulo 6 de Mateus (versos 1, 4, 6, 8, 14, 15, 18, 26 e 32).

A palavra mais direta e encorajadora está no modelo de oração que Jesus oferece: “Portanto, orem assim: ‘Pai nosso, que estás no céu...’” (Mt 6.9, NTLH).

Quase sempre, principalmente na introdução de cada Epístola (Rm 1.7; 1 Co 1.3; 2 Co 1.2; Gl 1.3-4; Ef 1.2; Cl 1.2; 1 Ts 1.3; 2 Ts 1.1), Paulo se refere a Deus chamando-o de “nosso Pai”, tanto Pai dele próprio como dos irmãos em Cristo. O apóstolo garante que Deus é “nosso Pai” e “Pai de nosso Senhor Jesus Cristo” (2 Co 1.2-3). Isso abre caminho para ele declarar com toda ênfase: “Se somos filhos, então somos herdeiros; herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo” (Rm 8.17).

A questão é de vital importância, tanto na doutrina como na prática. Nosso relacionamento com Deus não é uma relação com uma força impessoal, não é com um Deus distante, não é com um Deus inclemente – é com um Deus que nos permite chamá-lo de Aba (Rm 8.15), que em aramaico quer dizer Pai.

Para que não haja nenhuma dúvida, nenhuma hesitação, nenhum receio e nenhum acanhamento, as Escrituras ensinam que “o próprio Espírito [o Espírito de Deus] se une a nosso espírito, atestando [ou assegurando, ou afirmando, ou testemunhando, como aparece em outras versões] que somos filhos de Deus” (Rm 8.16, CNBB).

Se Deus é nosso Pai, então podemos chorar na presença dele, podemos confessar pecados e pedir perdão, podemos abrir nossa alma e derramar perante Ele nossos sustos e medos, podemos pedir-lhe conselho e orientação, podemos segurar a sua mão e nos colocar a caminho.

O grande desafio de Paulo no areópago era apresentar o Deus Desconhecido aos atenienses (At 17.23) e nas cartas é apresentar o Pai Desconhecido aos crentes.


Autor: Pr. Elben M. Lens Cézar

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

REPENSANDO O CRISTIANISMO NA PÓS-MODERNIDADE

Tema: A Igreja e a Pós-Modernidade

Texto: Rm 12.1-2; I Co 3.10-15

              Imagem: aceitojesuscristo.blogspot.com

Introdução: É inegável que estamos vivendo uma transição socioeconômica e cultural, sem precedentes na história da humanidade. As conquistas dos últimos 50 anos, superaram todos os séculos passados, em desenvolvimento e expansão do conhecimento humano. O modernismo se identificada com a globalização, Internet, turismo espacial, código de DNA, clonagem, sistema integrado de mídia, novas tecnologias,  etc.. Há um progresso desenfreado, porém profundamente egoísta. A Pós-modernidade traz consigo quebra de princípios, inclusive cristãos, e vem como uma avalanche. Muitos cristãos estão atordoados. Vivemos uma ruptura das hegemonias denominacionais.  Cantores cristãos com fã clube. Vivemos a era da informação, a qual está duplicando a cada década...

I – A IGREJA E A PÓS-MODERNIDADE

1. Vamos nos atrasar ou acompanhar os novos tempos, sem romper com a Palavra de Deus? Sejamos cônscios, o Evangelho de Cristo, permanecerá como a nossa bandeira de luta.

2. Afirmar que o Pós-Modernismo é um mal em si mesmo, estaremos excluindo a responsabilidade individual, sobrecarregando o coletivo, perdendo-nos no anonimato generalizado. Como ser inteligente criado por Deus, o homem tem é que desenvolver suas aptidões. Se expandir nestes novos tempos.

3. O dilema - Se a Igreja entra na onda da Pós-modernidade, o que acontecerá com as pessoas que não conseguem acompanhar as mudanças? Mas, se a Igreja tomar uma posição de clausura, como alcançará aquelas pessoas que já estão envolvidas nestas mudanças sociais e comportamentais?

4. Desde a Modernidade e com a Pós-modernidade há pecados tomando cara nova, como que deixando ser pecado, identificamo-los no liberalismo, hedonismo, mundanismo, relativismo. Igrejas com dirigentes, porém sem lideranças. Há muita preocupação com exterior, o homem interior, a cada dia mais fraco, debilitado.

II - TRAÇOS DA SOCIEDADE ATUAL

1. Com a explosão do conhecimento, fragmentada na aceleração dos ritmos das mudanças, praticamente tudo está mudando velozmente, temos então, a sociedade do descartável, seja objetos, pessoas e instituições...

2. O capitalismo induz as pessoas a um consumo desenfreado e insaciável. Altamente valorativa do modo ter sobre o ser. Entramos na era do dinheiro virtual.

3. Afirmou o psicanalista brasileiro Renato Mezan “o progresso coletivo das condições de vida não é suficiente para proporcionar felicidade psíquica permanente". O que traz segurança ao homem é uma experiência pessoal com Deus.

4. Os relacionamentos humanos são a cada dia, mais superficiais. Nunca se alisou tanto o ego humano, através de técnicas de relaxamento, tentando erguer a sua auto-estima.

5. Não há limites na busca de vencer mal-estar que a oprime, mesmo atropelando a Ética e a Moral. Casamentos oficiais entre pessoas do mesmo sexo. Trocas de parceiros entre casados. A prática do sexo entre namorados, com apoio de muitos pais. Lésbicas já procuram uma companheira em programas de televisão, ao vivo.  O ativismo gay está impondo a sociedade a mentira velada de que ser gay é normal.

6. Há um mal-estar, a nossa volta, pelo descompromisso reinante. Insensível, porém sensual e irresponsável.

7. É uma sociedade desnorteada, porque não oferece rumos identificáveis.

III -  O EVANGELHO DE JESUS CRISTO E O HOMEM PÓS-MODERNO.

1. Não precisa renovar seus conceitos.
2. Não precisa de inovações religiosas.
3. Não precisa de novas crendices.
4. Ou ele está encoberto para os que se perdem, ou ele está descoberto para os que se salvam.
5. São as boas novas de salvação, por excelência, para toda humanidade.
6. E permanece contendo uma declaração de salvação para os que crêem, porém uma sentença de condenação para os que o rejeitam.

IV – REAFIRMANDO VALORES INSUBSTITUÍVEIS.

1. A igreja evangélica precisa ser reconhecida por todos, não por alguns, como a reserva moral e espiritual da sociedade hodierna. Isso depende do meu e do seu testemunho.
2. Será ainda as Escrituras a nossa regra de fé e prática cristã???. Charles Swindoll escreveu o livro “Firme seus Valores” - e não é fácil, principalmente valores morais e espirituais. E a oração, o jejum, a comunhão do pão e o vinho? Lembrem-se: com a explosão do conhecimento tudo ou quase tudo está se tornando descartável
3. Não basta sermos igreja militante, melhor é ser participante da igreja triunfante, que ascenderá ao céu, quando soar a trombeta.

                           CONCLUSÃO REFLEXIVA

1) Do modo como estamos vivendo a vida cristã, como também fazendo a obra de Deus, até onde estamos edificando?  Estamos expandindo o reino de Deus ou estamos estagnados.

2) Nenhuma nova estratégia, nova abordagem de trabalho no Reino de Deus, substituirá a unção do Espírito na vida e sobre a Igreja de Cristo (Missionária Izabel Zwahlen).

3) Verdades históricas do Cristianismo, as quais suas grandes defesas, estão sendo obscurecidas por um evangelho de vantagens, mercadológico, de milagres questionáveis, não sacrificial, sem compromisso com o arrependimento e a conversão.
 
4) Jesus Cristo é o único fundamento. Não abramos mãos um milímetro deste referencial bíblico.  Não percamos a visão do calvário.

I Co 3.10-11 – “Segundo a graça de Deus que me foi dada, pus eu, como sábio arquiteto, o fundamento, e outro edifica sobre ele; mas veja cada um como edifica sobre ele. Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo”.

SUBSÍDIOS:

Modernidade – é a característica predominante do século XX. Fundados em movimentos como: o iluminismo, a reforma, contra-reforma, novas ideologias políticas e econômicas, como a globalização e modernos processos de industrializações.

Pós-modernidade – Por sua vez, resulta da influência de todas essas situações que caracterizaram a modernidade.  A Pós-modernidade se caracteriza, em suma, pelo estilo de vida, a racionalização, a predominância de uma visão de mundo destituída dos valores cristãos, no qual predomina o relativismo, sem lugar para o certo e o errado, com ênfase para a valorização das questões existenciais e a insatisfação recorrente que alimenta toda forma de idealização humana.  São implicações da Pós-modernidade:

O conceito de família foge dos padrões tradicionais e a sociedade em geral se robotiza pelo alto grau de facilitação da vida humana.

A prevalência da visão naturalista que, reduz os fenômenos, por um encadeamento mecânico (teoria da evolução orgânica), a fatos do mundo concreto material sem a intervenção de nenhuma causa transcendente. Busca-se excluir a possibilidade da existência do Criador.

Nela, a vida humana então se reduz a um simples ato da natureza e passa a ter a mesma importância da vida de qualquer animal. O Criacionismo ensina que os animais foram criados por Deus, contudo o homem foi feito à sua imagem e semelhança, de modo que ele difere de qualquer outro animal. No evolucionismo, todavia, todos somos iguais. Aplica-se até a lei do mais forte, alinhando a vida  humana racional à cadeia alimentar dos irracionais. 

Samuel P M Borges

domingo, 4 de agosto de 2013

Sete alimentos que ajudam a combater o mau hálito

                                                    Imagem: Hypescience.com

Embora alguns alimentos, como alho e cebola, possam causar mau hálito, a razão mais comum para esse mal quando ele se torna frequente é a falta de Higiene bucal, principalmente da língua. A dentista Michelle Davanço, especializada em estomatologia e profissional da Clínica Steticlin, conta que, muitas vezes, a halitose torna-se tão habitual que o portador nem a percebe mais. Nesse caso, fique atento ao alerta de colegas e procure um dentista. Mas, quando ela é resultado de um simples imprevisto que nos impede de escovar os dentes, você pode investir em alguns alimentos para deixar sua boca mais agradável. Confira:

Maçã, cenoura e pepino

Quando comidos crus e com casca, a maçã, a cenoura e o pepino realizam uma espécie de raspagem dos dentes que complementa a ação de limpeza do fio dental. Dessa forma, impede o acúmulo de bactérias e livra de possíveis odores indesejados.

Para se ter noção de como é imediato o resultado dessa interação, experimente consumi-los quando sentir que os seus dentes estão um pouco ásperos, o que evidencia a formação da placa bacteriana. Após o consumo, passando a língua por eles novamente, você os sentirá lisinhos. Não é à toa que, como explica a dentista Michelle, esses alimentos são comumente chamados de "detergentes".

Chá de boldo

Embora façamos uma associação direta e exclusiva entre o mau hálito e a boca, segundo Marcio Augusto, dentista especializado em halitose, o odor exalado também pode ser potencializado pela má digestão. Isso ocorre quando gases produzidos no intestino são incorretamente desviados para o estômago e, então, liberados pelas vias respiratórias, situação comum em pessoas de mais idade. Nesse caso, o chá de boldo pode ser de grande ajuda, uma vez que estimula esse processo, prevenindo, consequentemente, essa situação desagradável.

Gengibre

Você provavelmente já viu o gengibre presente na categoria de alimentos antioxidantes, anticoagulantes, entre outras. Acontece que ele também atua como um ótimo adstringente natural, por estimular alguns processos digestivos, como explica a nutricionista Daniela Cyrulin. Desse modo, levar balinhas de gengibre na bolsa ou na mochila ou até mesmo acrescentá-lo às refeições pode ser uma estratégia para combater o mau hálito.

Iogurte natural sem açúcar

Uma causa bastante comum do mau hálito é o elevado nível de gás sulfídrico em nosso organismo. Ele é resultante dos processos metabólicos anaeróbicos - que ocorrem na ausência de ar - do nosso corpo. "Nesse caso, o iogurte natural sem açúcar pode ser a grande solução, uma vez que ele age reduzindo os níveis desse gás que tem odor similar ao de ovo podre", aponta Daniela.

Suco de limão

O limão tem poder adstringente e bactericida, eliminando bactérias presentes na boca e em todo o sistema digestivo. Essa fruta ainda atua como reguladora do intestino, responsável por produzir diversos gases que muitas vezes acabam sendo eliminados pelas vias respiratórias. Para facilitar o seu consumo, vale acrescentá-lo às refeições e até pedir um suco adoçado.

Hortelã

A hortelã é amplamente utilizada em tratamentos medicinais, mas também é dotada de diversas propriedades que estimulam o sistema digestivo, além, é claro, de ter um aroma agradável. Dessa forma, ao mastigar as folhas dessa planta, você direciona o suco formado pela saliva para o estômago, acelerando a digestão, e ainda fica com aquele gostinho de frescor na boca. Precisa explicar por que ela está presente em balas, enxaguantes bucais e pastas de dente?

Água

Você provavelmente já percebeu que, mesmo escovando os dentes antes de dormir, sempre acorda com mau hálito. De acordo com a dentista Michelle, isso é completamente normal, pois, quando dormimos, os processos fisiológicos do nosso corpo desaceleram, diminuindo o ritmo até mesmo da salivação, o que promove a proliferação de bactérias bucais.


Por isso, beber bastante água durante o dia é uma ótima saída para evitar a halitose, pois estimula as glândulas salivares e ainda ajuda a eliminar resíduos de todo o nosso organismo, inclusive, da boca.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...