Pesquisar

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

REPENSANDO O CRISTIANISMO NA PÓS-MODERNIDADE

Tema: A Igreja e a Pós-Modernidade

Texto: Rm 12.1-2; I Co 3.10-15

              Imagem: aceitojesuscristo.blogspot.com

Introdução: É inegável que estamos vivendo uma transição socioeconômica e cultural, sem precedentes na história da humanidade. As conquistas dos últimos 50 anos, superaram todos os séculos passados, em desenvolvimento e expansão do conhecimento humano. O modernismo se identificada com a globalização, Internet, turismo espacial, código de DNA, clonagem, sistema integrado de mídia, novas tecnologias,  etc.. Há um progresso desenfreado, porém profundamente egoísta. A Pós-modernidade traz consigo quebra de princípios, inclusive cristãos, e vem como uma avalanche. Muitos cristãos estão atordoados. Vivemos uma ruptura das hegemonias denominacionais.  Cantores cristãos com fã clube. Vivemos a era da informação, a qual está duplicando a cada década...

I – A IGREJA E A PÓS-MODERNIDADE

1. Vamos nos atrasar ou acompanhar os novos tempos, sem romper com a Palavra de Deus? Sejamos cônscios, o Evangelho de Cristo, permanecerá como a nossa bandeira de luta.

2. Afirmar que o Pós-Modernismo é um mal em si mesmo, estaremos excluindo a responsabilidade individual, sobrecarregando o coletivo, perdendo-nos no anonimato generalizado. Como ser inteligente criado por Deus, o homem tem é que desenvolver suas aptidões. Se expandir nestes novos tempos.

3. O dilema - Se a Igreja entra na onda da Pós-modernidade, o que acontecerá com as pessoas que não conseguem acompanhar as mudanças? Mas, se a Igreja tomar uma posição de clausura, como alcançará aquelas pessoas que já estão envolvidas nestas mudanças sociais e comportamentais?

4. Desde a Modernidade e com a Pós-modernidade há pecados tomando cara nova, como que deixando ser pecado, identificamo-los no liberalismo, hedonismo, mundanismo, relativismo. Igrejas com dirigentes, porém sem lideranças. Há muita preocupação com exterior, o homem interior, a cada dia mais fraco, debilitado.

II - TRAÇOS DA SOCIEDADE ATUAL

1. Com a explosão do conhecimento, fragmentada na aceleração dos ritmos das mudanças, praticamente tudo está mudando velozmente, temos então, a sociedade do descartável, seja objetos, pessoas e instituições...

2. O capitalismo induz as pessoas a um consumo desenfreado e insaciável. Altamente valorativa do modo ter sobre o ser. Entramos na era do dinheiro virtual.

3. Afirmou o psicanalista brasileiro Renato Mezan “o progresso coletivo das condições de vida não é suficiente para proporcionar felicidade psíquica permanente". O que traz segurança ao homem é uma experiência pessoal com Deus.

4. Os relacionamentos humanos são a cada dia, mais superficiais. Nunca se alisou tanto o ego humano, através de técnicas de relaxamento, tentando erguer a sua auto-estima.

5. Não há limites na busca de vencer mal-estar que a oprime, mesmo atropelando a Ética e a Moral. Casamentos oficiais entre pessoas do mesmo sexo. Trocas de parceiros entre casados. A prática do sexo entre namorados, com apoio de muitos pais. Lésbicas já procuram uma companheira em programas de televisão, ao vivo.  O ativismo gay está impondo a sociedade a mentira velada de que ser gay é normal.

6. Há um mal-estar, a nossa volta, pelo descompromisso reinante. Insensível, porém sensual e irresponsável.

7. É uma sociedade desnorteada, porque não oferece rumos identificáveis.

III -  O EVANGELHO DE JESUS CRISTO E O HOMEM PÓS-MODERNO.

1. Não precisa renovar seus conceitos.
2. Não precisa de inovações religiosas.
3. Não precisa de novas crendices.
4. Ou ele está encoberto para os que se perdem, ou ele está descoberto para os que se salvam.
5. São as boas novas de salvação, por excelência, para toda humanidade.
6. E permanece contendo uma declaração de salvação para os que crêem, porém uma sentença de condenação para os que o rejeitam.

IV – REAFIRMANDO VALORES INSUBSTITUÍVEIS.

1. A igreja evangélica precisa ser reconhecida por todos, não por alguns, como a reserva moral e espiritual da sociedade hodierna. Isso depende do meu e do seu testemunho.
2. Será ainda as Escrituras a nossa regra de fé e prática cristã???. Charles Swindoll escreveu o livro “Firme seus Valores” - e não é fácil, principalmente valores morais e espirituais. E a oração, o jejum, a comunhão do pão e o vinho? Lembrem-se: com a explosão do conhecimento tudo ou quase tudo está se tornando descartável
3. Não basta sermos igreja militante, melhor é ser participante da igreja triunfante, que ascenderá ao céu, quando soar a trombeta.

                           CONCLUSÃO REFLEXIVA

1) Do modo como estamos vivendo a vida cristã, como também fazendo a obra de Deus, até onde estamos edificando?  Estamos expandindo o reino de Deus ou estamos estagnados.

2) Nenhuma nova estratégia, nova abordagem de trabalho no Reino de Deus, substituirá a unção do Espírito na vida e sobre a Igreja de Cristo (Missionária Izabel Zwahlen).

3) Verdades históricas do Cristianismo, as quais suas grandes defesas, estão sendo obscurecidas por um evangelho de vantagens, mercadológico, de milagres questionáveis, não sacrificial, sem compromisso com o arrependimento e a conversão.
 
4) Jesus Cristo é o único fundamento. Não abramos mãos um milímetro deste referencial bíblico.  Não percamos a visão do calvário.

I Co 3.10-11 – “Segundo a graça de Deus que me foi dada, pus eu, como sábio arquiteto, o fundamento, e outro edifica sobre ele; mas veja cada um como edifica sobre ele. Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo”.

SUBSÍDIOS:

Modernidade – é a característica predominante do século XX. Fundados em movimentos como: o iluminismo, a reforma, contra-reforma, novas ideologias políticas e econômicas, como a globalização e modernos processos de industrializações.

Pós-modernidade – Por sua vez, resulta da influência de todas essas situações que caracterizaram a modernidade.  A Pós-modernidade se caracteriza, em suma, pelo estilo de vida, a racionalização, a predominância de uma visão de mundo destituída dos valores cristãos, no qual predomina o relativismo, sem lugar para o certo e o errado, com ênfase para a valorização das questões existenciais e a insatisfação recorrente que alimenta toda forma de idealização humana.  São implicações da Pós-modernidade:

O conceito de família foge dos padrões tradicionais e a sociedade em geral se robotiza pelo alto grau de facilitação da vida humana.

A prevalência da visão naturalista que, reduz os fenômenos, por um encadeamento mecânico (teoria da evolução orgânica), a fatos do mundo concreto material sem a intervenção de nenhuma causa transcendente. Busca-se excluir a possibilidade da existência do Criador.

Nela, a vida humana então se reduz a um simples ato da natureza e passa a ter a mesma importância da vida de qualquer animal. O Criacionismo ensina que os animais foram criados por Deus, contudo o homem foi feito à sua imagem e semelhança, de modo que ele difere de qualquer outro animal. No evolucionismo, todavia, todos somos iguais. Aplica-se até a lei do mais forte, alinhando a vida  humana racional à cadeia alimentar dos irracionais. 

Samuel P M Borges

Nenhum comentário:

Postar um comentário

INCLUIR COMENTÁRIO!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...