Pesquisar

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

O Quando de Deus


Reflexão: O Quando de Deus


Condicionante:

Hebreus 11:6
“Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam”.

Quando o sonho se desfaz, Deus reconstrói;
Quando se acabam as forças, Deus renova;
Quando é inevitável conter as lágrimas, Deus dá alegria;
Quando não há mais amor, Deus o faz nascer;
Quando a maldição é certa, Deus transforma em bênção;
Quando parecer ser o final, Deus dá novo começo;
Quando a aflição quer persistir, Deus nos envolve com a paz;
Quando a doença assola, Deus é quem cura;
Quando o impossível se levanta, Deus o torna possível;
Quando faltam as palavras, Deus sabe o que queremos dizer;
Quando tudo parece se fechar, Deus abre uma nova porta;
Quando você diz: não vou conseguir, Deus diz: não temas, pois estou contigo;
Quando o coração é machucado por alguém, Deus é quem derrama o bálsamo curador;
Quando não há possibilidade, Deus faz o milagre;
Quando só há morte, Deus nos faz persistir;
Quando a noite parece não ter fim, Deus faz nascer o amanhecer;
Quando caímos num profundo abismo, Deus estende sua mão e nos tira de lá;
Quando tudo é dor, Deus dá o refrigério;
Quando o calor da provação é grande, Deus dá a sombra da sua presença;
Quando o inverno parece infinito, Deus traz o verão;
Quando a fé vacila, ore como os discípulos, “Senhor! aumenta-nos a fé”;
Quando estamos a um passo do inferno, Deus nos dá a direção do céu;
Quando não temos nada, Deus nos dá tudo;
Quando alguém diz que não somos nada, Deus nos diz que somos mais que vencedores;
Quando difícil se torna o caminhar, Deus nos carrega no seu colo."

(Autor desconhecido).

Assim acontece com quem tem um relacionamento pessoal com Deus, mediante a pessoa bendita de seu filho Jesus Cristo.

(Habacuque 3.17,18) -  "Porquanto, ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide, e o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja vacas; Todavia eu me alegrarei no Senhor: Exultarei no Deus da minha salvação".

Samuel P M Borges – Outubro 2019.

Qualidade Pessoal


Reflitamos sobre aqueles fatores que influenciam a maneira pela qual as pessoas que nos cercam percebem as nossas QUALIDADES PESSOAIS.


1.    Minha habilidade para evitar erros.
2.    Meu comprometimento.
3.    Minha lealdade.
4.    Minha capacidade para cumprir acordos.
5.    Minha capacidade de assistência e cooperação.
6.    Minha integridade.
7.    Minha produtividade.
8.    Minha pontualidade.
9.    Minha flexibilidade.
10. Meu senso de ordem.
11. Minha atenção aos custos.
12. Minha competência profissional.
13. Minha capacidade de comunicação.
14. Minha capacidade de acompanhamento.
15. Minha tolerância.
16. Meu interesse e respeito pelos outros.
17. Minha higiene pessoal.
18. Minha autodisciplina e perseverança.
19. A força de minhas convicções.

“Aquilo que vale a pena ser feito, vale a pena ser bem feito”

Fonte: Extraído do livro “O Lado Humano da Qualidade”.
Autor: Claus Moller

domingo, 13 de outubro de 2019

Normal e Anormal

O que é normal? O que é anormal? Quem vai fazer a diferença entre o normal e o anormal? Quem vai preparar a lista do que é normal? Quem vai preparar a lista do que é anormal? Precisamos mesmo dessas listas?
O normal é aquilo que gostamos de fazer? O normal é aquilo que os formadores de opinião dizem que é? O normal é aquilo que a mídia espalha? O normal é aquilo que a sociedade aprova? O normal é aquilo que o governo oficializa? O normal é aquilo que a igreja tolera?

É normal engravidar uma adolescente que mal saiu da puberdade? É normal gerar filhos sem a proteção de um lar?

É normal abandonar o esposo ou a esposa por causa de outro homem ou de outra mulher? É normal deixar o filhinho só com a mãe ou só com o pai, depois da separação?

É normal seduzir um homem casado ou solteiro e levá-lo pra cama? É normal violentar uma mulher casada ou solteira? É normal abusar sexualmente de uma criança, maltratando-a para sempre?

É normal deixar o homem o contato natural de mulher e se inflamar com outro homem? É normal deixar a mulher o contato natural do homem e se inflamar com outra mulher? É normal o casamento de homem com homem e de mulher com mulher?

É normal o porte individual de armas de fogo? É normal o crime organizado? É normal a matança organizada? É normal o ódio? É normal a vingança?

É normal deixar livre o criminoso de colarinho branco e pôr na cadeia o criminoso de cueca? É normal deixar livre o assassino e pôr na cadeia aquele que maltratou um animal ou derrubou uma árvore?

É normal a concentração de riqueza? É normal a concentração de pobreza? É normal a política econômica do “salve-se quem puder”? É normal os bloqueios econômicos? É normal o imperialismo?

É normal a lentidão da reforma agrária? É normal a construção da favela? É normal morar debaixo da ponte e das marquises? É normal o consumismo? É normal o desperdício? É normal a proliferação de médicos na orla marítima e nas grandes cidades em detrimento do interior pobre e das nações pobres?

É normal a mentira? É normal a calúnia? É normal a exploração sensacionalista da vida privada? É normal a tortura? É normal a ditadura? É normal a opressão? É normal a discriminação social, política, racial e religiosa? É normal o fanatismo religioso?



No texto acima não há afirmativas. Só perguntas. Cinquenta perguntas ao todo. Responda você mesmo. Uma por uma. Vai ser um exercício formidável de avaliação. E de introspecção. Lembre-se que Deus usa muitas vezes esse método. Ele perguntou a Adão: “Onde estás? ”, “Quem te fez saber que estavas nu?”, “Comeste da árvore de que te ordenei que não comesses?” (Gn 3.9-11). Ele perguntou a Caim: “Por que andas irado?”, “Onde está Abel, teu irmão?”, “Que fizeste?” (Gn 4.6-10). Ele perguntou a Elias: “Que fazes aqui, Elias?” (1 Rs 19.9). Ele perguntou a Jonas: “É razoável essa tua ira?” (Jn 4.4). Jesus perguntou à mulher adúltera: “Onde estão aqueles teus acusadores?”, “Ninguém te condenou?” (Jo 8.10). Jesus perguntou a Saulo: “Saulo, Saulo, por que me persegues?” (At 9.4). Deus quer que você pense!


Elben César

Fonte: Revista Ultimato – Julho-Agosto de 1998.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...